Mulheres 'invadem' empresa e ganham até vale-salão de incentivo

 

Uma empresa que faz máquinas usadas na construção civil e em indústrias de cosméticos, em Trindade, Goiás, fez uma mudança em seu quadro de funcionários que virou tema de debate entre homens e mulheres: a mulherada invadiu a linha de produção, antes 100 % masculina.

A mudança aconteceu aos poucos, e tudo porque certo dia uma antiga secretária resolveu arregaçar as mangas e ajudar na linha de produção para cumprir o prazo de entrega que estava apertado. Depois dela, a fábrica nunca mais foi a mesma! E o dono da empresa Francisco Alves está muito satisfeito com o crescimento do faturamento:  “Consequentemente com a maior organização que teve, com a dedicação, naturalmente ele cresceu. E, a cada ano, a gente vem dobrando o faturamento."

 

Trabalho pesado feito por mãos suaves

 

O trabalho pode ser pesado, mas elas não têm medo de encarar de frente e superar os homens na execução.
É o que acontece na Dimensão Máquinas, uma fábrica de equipamentos industriais em que todo o quadro de funcionários é preenchido por mulheres, o único homem do local é o proprietário da empresa Francisco Luciano Alves de Jesus.

Segundo o empresário, tudo começou quando ele precisou de apoio na produção para dar conta dos pedidos e pediu ajuda à sua secretária que, na época, gostou muito do trabalho. De lá pra cá a empresa cresceu e Francisco só contratou mulheres para a linha de produção.

Veja o que ele diz sobre as mulheres:

Mulheres na metalurgia goiana

Elas são estudantes, bonitas, mães, esposas, profissionais de alta performance e fazem parte de uma equipe única em Goiás, de mulheres que trabalham em uma metalúrgica. Tudo começou em 2009, quando a secretária Josy foi contratada para ser secretária na fábrica de máquinas para indústria química Dimensão Máquinas e Equipamentos, situada em Trindade. Na época, a empresa tinha no quadro, além do dono, o empresário Francisco Luciano Alves de Jesus, outros funcionários homens. Ela ficou sensibilizada com o pedido de cliente para adiantar um serviço e resolveu sair do escritório e ajudar os colegas na fabricação do equipamento. Desse dia em diante, o trabalho das mulheres na Dimensão não parou mais. Aos poucos, os homens foram saindo e as mulheres ocupando as vagas de trabalho.

Dimensão Máquinas no site da UOL

Em meio às faíscas e ao barulho da linha de produção, lábios com batom e rostos maquiados. Na fábrica de equipamentos industriais Dimensão Máquinas, em Trindade (GO), são as mulheres que fazem o trabalho pesado.

Desde que passou a contratar força de trabalho feminina para atuar na linha de produção, em 2009, o empresário Francisco Luciano Alves de Jesus, 37, diz que a produtividade aumentou e os negócios começaram a prosperar.

Dimensão Máquinas é destaque no Jornal Sebrae

A Dimensão Máquinas no mês de Outubro foi capa do Jornal do Sebrae, ganhando destaque pela mão de obra feminina e pela excelência do trabalho executado!

 

Os maiores de Goiás

No dia 30 de agosto de 2013, o jornal O Popular, publicou a 18ª edição do informe publicitário "Os Maiores de Goiás", onde foi falado do Banco do Povo e suas linhas de crédito.

A matéria com o título de: "Incrementando a economia goiana", fala das novas linhas de crédito para micro e pequenas empresas.

Dimensão Máquinas rompe fronteiras

O torneiro mecânico Francisco Luciano Alves de Jesus começou a trabalhar em 1995, fazendo pequenos serviços, como soldar portões ou engraxar máquinas e equipamentos, em 10 metros quadrados da garagem de casa. “Fazia todo serviço que minhas ferramentas pudessem”, lembra. Inventor por vocação, depois ele começou a construir pequenas máquinas de sucata, que tinha um custo menor para seus clientes.


Em 1999, quando o programa de microcrédito Banco do Povo foi criado, ele tomou um empréstimo de R$ 1 mil para comprar seu primeiro torno mecânico. Na ocasião, lembra, recebeu treinamento do Sebrae e de outras instituições. A produção de máquinas começou a crescer e ele tomou mais dois empréstimos no programa, de R$ 1,5 mil e R$ 2 mil.
O negócio cresceu e se transformou na indústria e comércio de máquinas Dimensão, com 200 metros quadrados, que produz batedeiras e dispersores que atendem diversos segmentos industriais, como o químico, construção civil, automotivo, alimentício e de cosméticos. Os equipamentos podem ser usados para o processamento de líquidos, pastosos e pós na indústria química ou para o processamento de misturas de bolo, argamassas ou tintas.

Com o Banco do Povo, sonhos se transformam em realidade. Francisco de Jesus, de 36 anos, tinha uma empresa de fundo de quintal. Hoje, ele vende máquinas industriais para 18 estados do País

Especial - 07/08/2012 - 09:40:19

Ainda na adolescência, Francisco Luciano Alves de Jesus aprendeu a profissão de torneiro mecânico com o "Seu Paraíba", proprietário de uma torneadora em Trindade. Paraíba mudou de cidade, mas Francisco continuou atendendo os clientes, em domicílio. Naquela época ele tinha uma bicicleta e percorria toda a cidade.

Nesta área da metalurgia, ele se identificava mais com a parte de montagem. Fazia trabalhos na garagem de casa, montando máquinas para padarias, sapatarias, cerâmicas, entre outros. "Desde pequeno gostava mais de construir um brinquedo do que brincar com ele. Trabalhando com algumas pessoas, tive a oportunidade de conhecer o processo industrial. Eu consertava máquinas em casa. Retirava tudo o que tinha dentro delas e criava os meus mecanismos. A minha ideia era fabricar as minhas próprias, mas não tinha ferramentas nem recursos para isso", conta.